17 de outubro de 2010

L5R - Gempukku (Parte 2): Os Clãs do Império



Continuando o papo de semana passada (com, creio eu, um dia de adiantamento), hoje falaremos mais sobre as estruturas básicas do Império de Esmeralda.
Os Clãs Maiores são a principal forma de identificação e organização dos personagens no RPG. São as facções primordiais do card game, e pra falar a verdade, são os próprios ossos do Império de Rokugan.

Ao contrário do que muitos podem pensar, os Clãs não são rivais entre si. Eles funcionam aproximadamente como diferentes estados de uma mesmo país de grandes proporções, o que confere a ele diferenças culturais, geográficas, climáticas, econômicas e sociais, ao mesmo tempo que permite que eles possuam características que unam a todos. Neste caso, o mesmo idioma, religião, costumes, unidade monetária e, claro, o fato de estarem todos ao comando do trono do Imperador.


Akodo enfrenta Hantei no Torneio dos Kamis. Vendo o brilho
do Sol na espada de Hantei, Akodo refreia seu golpe e concede a vitória
ao seu irmão...

Sim, essa imagem deveria estar no post anterior.
Cada Clã Maior (com exceção do Mantis, falamos disso lá na frente) foi fundado por cada um dos irmãos e irmãs de Hantei, o Primeiro Imperador. Crê-se que tenham surgido na época imediatamente posterior ao campeonato dos Kamis, para ver quem seria o Imperador. Todavia,alguns Kamis já haviam começado a reunir seus primeiros seguidores antes. Fato, nenhum desses séquitos nem de longe era um centésimo do que os Clãs são hoje.

Esta parte da História do Império ainda é muito sujeita a lendas. E pelo fato dos Kamis serem sem dúvidas figuras muito fantásticas, é muito difícil diferenciar precisamente o que é conto, o que é real, e o que é fantástico, mas real. Conta a tradição que toda a terra de Rokugan foi repartida entre os Kamis, e cada qual reuniu seguidores segundo os preceitos que cada um considerava valorosos. Assim...

Guerreiros Hida celebrando mais um dia de vitória contra
as Terras Sombrias. Se você está vivo ao final dele
merece comemoração.
... Kami Hida, o mais robusto, escolheu as terras rochosas do Sul, onde, ao lado dos mais bravos e fortes, e fundou ali o Clã Caranguejo. Entre os mais célebres seguidores de Hida, estão um grupo de três amigos. "Kaiu, forjador de tudo o que é de ferro", "Kuni, guardião dos segredos sombrios" e "Hiruma, o caçador de mil lebres". Combinando seus talentos, os três conseguiram, a mando de Hida,  matar um monstro que assolava as terras do Caranguejo. Mas o que realmente impressionou Hida, foi quando perguntou quem havia matado a fera. Hiruma diz que foi Kaiu, que criou a espada de jade capaz de atravessar o couro do monstro; Kaiu diz que foi Kuni, que criou o círculo mágico que o deu tempo para criar a espada; e Kuni por sua vez disse que foi Hiruma, porque da mão dele saiu o golpe final. Assim nasceram as primeiras três Famílias do Clã Caranguejo. Após a Primeira Guerra (outro assunto para falar no futuro), o Clã Caranguejo encontrou o propósito de defender o resto do Império dos terrores infernais das Terras Sombrias. Suas defesas contra ela se organizam na Muralha Kaiu, de longe o maior feito de engenharia rokugani, se estendendo por quilômetros bem guardados de guardas Hida bem armadurados e batedores Hiruma, sempre à espera de qualquer inimigo "invencível" que os demônios tenham preparado para eles. A magia Kuni, por outro lado é especializada no combate a essas forças e à Mácula das Terras Sombrias, de longe a maior ameaça que elas oferecem.

Para a Garça, nada menos que a perfeição
é aceitável. Em tudo.
Doji, a mais bela e graciosa, e predileta de Hantei, escolheu as costas do Leste, e juntamente com os mais refinados e elegantes que conheceu, fundou o Clã Garça. Posteriormente, ela se casou com o Primeiro Campeão de Esmeralda, Kakita, o maior duelista do Império, encarregado de ser o Campeão Pessoal do Imperador. O posto foi sugerido por ela mesma a Hantei. Kakita, por sua vez, estabeleceu as regras para o duelo formal entre samurais, e escreveu seu cultuadíssimo tratado sobre a esgrima e outras artes, A Espada. De um modo ou de outro, todo costume de Rokugan tem pelo menos uma leve influência da Kami Doji ou de algum descendente seu. A Garça é uma potência inegável na corte, graças à rede de alianças e favores que eles trabalharam pelos milênios de civilização. Por outro lado, todo Garça típico é fanático pela perfeição. Seja pela obra de arte perfeita, com o desempenho impecável nas relações diplomáticas dos Doji; ou no corte sublime e coeso dos Kakita. A Família que seguiu o caminho da espada no Clã trata a esgrima como a maior de todas as artes, mas ainda assim, uma arte. Buscando acima de tudo o golpe perfeito, os Kakita se tornaram os maiores especialistas do Império na arte do Iaijutsu, a técnica de golpear desembainhando a katana num gesto único.

Tudo bem, o Leão é um Clã muito legal...
Mas ninguém merece essa juba!

Akodo, o guerreiro e comandante ideal, escolheu as planícies no coração do Império, onde começou a tradição do Clã Leão. Ele selecionou pessoalmente os mais bravos e honrados guerreiros, inspecionando cada um em combate contra ele próprio. Uma mulher, porém, chamou sua atenção mais do que qualquer outro seguidor. Era Matsu, cuja ferocidade e bravura eram tamanhas que seu duelo com Akodo terminou empatado. Além dela, também o seguiu Ikoma, um velho contador de histórias que usava de sua experiência e sabedoria para se agigantar diante de qualquer adversário. Seu mal comportamento, porém, o precedia, como beberrão, mulherengo e propenso a golpes desleais numa luta. Suas histórias, porém, eram terrivelmente exageradas sobre seus próprios feitos, o que atraía ainda mais mulheres bonitas e incaltas para ele. Fato, Ikoma teve onze filhos. Reconhecidos. Akodo, porém, entrou para a eternidade escrevendo um livro que seria tido como o manual do que é ser um samurai, de como servir, se portar e até mesmo guerrear. Este livro, acreditava ele, traria Honra para a casta, e a diferenciaria do simples guerreiro, apenas hábil no manejo da espada, além de cunhar o tão vital termo "Bushidô". Liderança, até hoje, é um clássico da literatura samurai de Rokugan. Hoje, o Clã Leão é considerado o exército mais poderoso de Rokugan, e toda sua força é considerada "A Mão Direita do Imperador", responsável por mostrar seu poder àqueles que não reconheçam sua autoridade por bem. Seus samurais são bastiões irrepreensíveis de Honra, virtude e Coragem, verdadeiros seguidores da moral pregada pelo Kami Akodo. Os estrategista da Família Akodo são tido como os melhores comandantes e batalha, e uma legião de soldados Matsu é algo que comandante inimigo algum quer ver em sã consciência.

Mirumoto Shiryu. Sim, foi inspirado
nesse Shiryu mesmo que você
está pensando.

Togashi, o mais distante e hermético dos irmãos, simplesmente foi para as montanhas gélidas ao norte do Império, e com ele qualquer um que quisesse segui-lo. Lá, monges, bushis e shugenjas em pouco se diferenciaram. Juntos, todos eles tentavam descobrir juntos a Iluminação, pelo seu difícil e tortuoso caminho. Dessa imagem, surgiu o Clã Dragão. Entre seus seguidores, estava Agasha, uma shugenja contemporânea a Isawa, e Mirumoto, guarda-costas pessoal do Kami Togashi. Mirumoto era famoso no Império por usar as duas espadas de seu daisho, uma em cada mão. Um estilo único no Império e muito famoso pela quantidade impressionante de adversários derrotados por ele. Embora fosse um contemporâneo de Kakita, os dois nunca se enfrentaram para decidir realmente quem era o melhor espadachim. Toda essa sinergia tornou os guerreiros do Clã mais próximos à magia, assim como os shugenjas mais versados em combate. O Dragão acredita que seguir um só caminho não leva à Iluminação, mas apenas a um outro lugar aonde alguém já chegou. Assim, seus guerreiros sabem do funcionamento e propriedades da magia elemental de Rokugan, assim como seus shugenjas não são tão indefesos assim. Acima de tudo, os monges do Clã, almas iluminadas tidas como líderes, já que se dedicam quase exclusivamente ao sacro-santo ideal do Dragão, por sua vez, também são versados nos dois.

Isawa. O homem que dobrou os joelhos de um deus.
Shiba, o mais culto e inteligente dos Kamis, foi para o nordeste do Império. Uma terra onde teve que disputar seu território e influência com Isawa, tido como o fundador da tradição shugenja de Rokugan, e sua tribo, os Filhos da Terra. Isawa era orgulhoso, bravio e se negava a obedecer os Kamis, daí o nome de sua tribo se opor aos "Filhos do Céu". Contudo, seu poder na magia era incontestável, e seus estudos sobre os Cinco Elementos até hoje definem o modo rokugani de ver e pensar a magia. Porém, ao invés de um enfrentamento, Shiba optou pela paz. Ele se ajoelhou perante Isawa, e jurou que ele o protegeria, assim como seus descendentes protegeriam os descendentes de Isawa. Isso gerou algo inédito em Rokugan. Até hoje, o Clã Fênix é o único Clã liderado por uma Família de origem humana, na figura do Conselho dos Cinco Mestres Elementais, enquanto seu Campeão cuida das relações externas do Clã. Esta relação causou ao resto do Império uma fama inquestionável à Fênix: Seu poder mágico. Os melhores shugenjas, são tidos como os do Clã Fênix, ou por eles treinados. E os bushis Shiba, seguindo o juramento a Isawa, se especializam em técnicas de defesa e proteção de seus encarregados. Tipicamente, todo Fênix é pacifista, tentando evitar os conflitos ao máximo e resolvendo-os através de meios não-violentos. Para a Fênix, a luta é vitória da ignorância sobre a razão e ao conhecimento. E assim, é seu último recurso. Todavia, todo episódio em que o poder destrutivo da Fênix foi demonstrado ficou gravado com letras de cinzas eternas na História de Rokugan.

Kami Shinjo, fundadora do Clã Ki-Rin
Shinjo, a mais misericordiosa e pura de coração de todos os Kamis, em princípio teve seus mensageiros e arautos montados mantidos ao lado do Imperador, para poder transmitir rapidamente suas mensagens no nascente Império. Eles eram o puro e belo Clã Ki-Rin (uma espécie de "cavalo místico" de Rokugan). Porém, um fato que mudaria para sempre o Clã os transformaria no incompreendido e temido Clã Unicórnio. Novamente, assuntos para se falar mais à frente.


Samurais do Escorpião sempre usam máscaras. SEMPRE.
Bayushi, ardiloso e sagaz, porém jamais um traidor, reuniu os mais astutos humanos, deu a eles os títulos de samurais, e escolheu para si as terras do Oeste, entre o resto do Império e a Floresta Shinomen. Uma de seus seguidores, porém, era o bem mais precioso que possuía. "Shosuro", também pode ter se originado de uma variação de "Shosu-ko" que quer dizer "filha". Sendo este ou não o nome verdadeiro da mulher, pouco se soube sobre ela. Até mesmo para Bayushi, sua origem e a total extensão de suas capacidades eram um mistério, o que fascinava ainda mais o jovial e belho irmão gêmeo de Shiba. Data também da época do campeonato do Imperador o costume de todo samurai do Clã Escorpião usar máscara. Conta a lenda que Shinsei (falo sobre ele a diante), após ver Bayushi derrotar Shinjo, conta para ele a história do Escorpião que quer atravessar o rio, e pede ajuda a um sapo. O sapo se nega, pois teme que o Escorpião o ferroe enquanto o carrega nas costas, o que o Escorpião diz que sabe que se o fizer, ele morrerá afogado. O sapo então aceita, e no meio do caminho, sente a ferroada do Escorpião. Todavia, o Escorpião surpreende o sapo, dizendo apenas "Eu sei nadar". Bayushi então diz ter entendido a história, e Shinsei o golpeia no lábio, jorrando sangue da bela face do Kami. Shinsei explica que os olhos de Bayushi disseram algo, mas sua boca disse o inverso. Um deles estava mentindo, e ele resolveu punir o mentiroso. Entendendo a sabedoria do Pequeno Mestre, Bayushi rasga um pedaço de sua roupa para usar de máscara. Ao enfrentar Shiba, ele simplesmente revela a ferida que Shinsei havia feito e diz ter sido ferido por seu irmão. Ao ver isso, Shinsei comentou ao longe: "Agora você sabe nadar."

Esses, muito em princípio são os Sete (primeiros) Clãs Maiores do Império. Escorpião e Ki-Rin mudarão MUITO ainda no decorrer da história, mas, é com esta configuração que o Império prospera seu primeiro século. Porém, ao final dos primeiros cem anos de paz e prosperidade, histórias de terror começaram a surgir do sul. Lendas cada vez mais verdadeiras de um mal impossível vindo das Terras Sombrias. Monstros e abominações investiam com furor indetido pelas terras do Império, e nada nem ninguém conseguia detê-las. Espiões do Escorpião, por fim, retornaram com a confirmação do maior temor do coração de Hantei...

...

E este é o assunto da semana que vem!

PS.: Perdões pelo tijolo de texto na hora de falar do Escorpião. É realmente muito difícil explicar o que é (e principalmente o que NÃO é) dever do Escorpião dentro da estrutura do Império.

PS2.: Perdão aos fãs do Unicórnio que porventura freqüentem este blog. Realmente, a ilustração da Shinjo é uma belíssima obra do cara que sou fã, Steve Argyle. Quem quiser, por favor, procure essa ilustração no site dele. Vale muito a pena.

5 comentários :

  1. Haiashi brincando com seu livro novo!
    XD
    Achei super legal!
    bjus!

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, qse nada dessas informações saiu do livro novo. Aliás, as informações mais legais de L5R estão nos livros antigos, embora esse novo reúna tudo. Acochambrando aqui e ali, mas pelo menos ele põe esses milhares de ano de história num volume menor que o Alcorão.

    Entre os avisos gerais, a seção Gempukku agora tem uma ilustração própria! E creiam-me, ela ficou ótima no Photoshop, mas depois q grava em jpg ela fica horrível assim mesmo. Ainda devo trabalhar nela no futuro, mas até agora, é isso aí mesmo.

    Para quem não conseguiu ler o lado inferior da ilustração, está escrito: "Mesmo a mais longa jornada começa com um primeiro passo. -O Tao de Shinsei" e "Ilustração de Miguel Coimbra".

    Ontem, encontrei um blog americano sobre a 4ª edição de L5R. Recomendo intensamente o Celestial Agonies: http://l5rrpg.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Valeu Hayashi! Estou gostando muito desta nova seção e espero as próximas atualizações.

    ResponderExcluir
  4. Realmente, está tudo impecável. Os textos, as imagens escolhidas, os pergaminhos...

    Estás realmente honrando o grande mito do Reino Esmeralda, nobre escaldo.

    Minhas mais sinceras congratulações.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, realmente só tive tempo de sentar e ler hj...
    E como comecei as ler os livros do L5R tem um pouco de spoiler (por assim dizer ), mas ajudou bastante... Já to conseguindo colocar algumas ideias no lugar e conhecer melhor o Reino Esmeralda e Rokugan...

    Parabéns mais uma vez...

    ResponderExcluir

Leia Também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...